Skip to content

O artista ‘prata da casa’ e a falta de público – II

Por que, então, eles não conseguem público em sua própria cidade?

Creio que as circunstâncias sejam muitas, mas cito apenas duas.

Primeiramente, há que considerarmos que o sucesso, atualmente, depende mais da mídia que da qualidade do trabalho do artista. Hoje, é a repetição exaustiva da música nas emissoras de rádo e TV quem fabrica o sucesso. Se os artistas não são tocados, também não serão conhecidos, nem seus trabalhos desejados.

Em segundo lugar, as emissoras de rádio especializaram-se em ser produtoras de shows, priorizando em sua programação diária a execução do trabalho dos artistas de seu próximo evento. E as emissoras de televisão, a não ser nos noticiários, quase nenhum espaço dão às expressões culturais locais.

Lembro que no comecinho dos anos ’80, em Imperatriz, o jovem Márcio Lee lançou um compacto simples (tempos do vinil) que passou a ser tocado diariamente no encerramento da programação da retransmissora local da Rede Globo (não era a Mirante ainda) – naquela época, as tevês não faziam exibição 24 horas; encerravam a programação nas primeiras horas da madrugada. Em vista disso, toda a cidade conhecia sua música e o disco esgotou rapidamente.

Não vou aqui, como muitos, colocar a culpa na falta de apoio público, na inexistência de políticas públicas eficientes para a cultura. Reconheça-se que dezenas de trabalhos – discos, livros etc. – foram patrocinados tanto pelos órgãos governamentais quanto pelo setor privado e, mesmo assim, não se fizeram conhecidos por si só. Não existindo notícias, comentários, críticas ao trabalho artístico na imprensa; se não é mostrado, exibido, praticamente ele não existe para o grande público.

Numa de suas composições, Neném Bragança resume o que creio ser a frustração dos artistas que sabem ter potencialidades para grandes vôos, já experimentaram algum sucesso fora, mas sequer são reconhecidos em sua terra: “Sou prata da casa, volto por voltar”.

Em nossa cultura maranhense, de subvalorização própria e de baixa estima, é geralmente necessário, antes, fazer sucesso fora para se destacar em âmbito local. Há menos de dois meses, Wilson Zara fez um show na Romano’s Pizzaria para um público de aproximadamente duas mil pessoas, que de tão encantado fez com que o músico esticasse sua apresentação até as quatro da manhã. Quando cantava em seu Caneleiros (antiga e excelente casa em que se apresentavam diariamente os artistas locais e regionais), era também “prata da casa”, e tinha que “correr” muito para não fechar as portas, o que por fim não pôde evitar.

E nos tempos do Caneleiros, assisti ao Chiquinho França ser obrigado por numeroso público (mais que o máximo que cabia a casa) a alongar por mais de trinta minutos sua exibição instrumental, e só conseguiu terminá-la por força de muita determinação. Sua versão pop/rock da 5.a Sinfonia de Bethoven, se popularizada, certamente faria grande sucesso. E nem falemos de como ele toca Pink Floyd. Por méritos pessoais, mesmo sem ser conhecido nacionalmente, suas composições pessoais foram trilha sonora de reportagens do Fantástico e do Globo Repórter mais de vinte vezes.

Diante desses fatos, de ontem e de hoje, avalio que Imperatriz não menospreza seus artistas. Os que os conhecem, valorizam-nos; o grande público, que os desconhece e pouco contato têm com seu trabalho, não pode ser culpado por menosprezo.

Uma sociedade, um país, uma região, uma cidade eleva sua autoestima sobretudo pela força e destaque de sua arte. São Luís até hoje vive das glórias da antiga “Atenas maranhense”; a Europa tem como principal orgulho o seu tesouro artístico, que anualmente atrai milhões de pessoas.

É preciso que valorizemo-nos a nós mesmos se queremos que os outros nos reconheçam. E isso é responsabilidade de todos.

Abro aqui um post-scriptum para reconhecer também outros grandes artistas locais de outros gêneros musicais, como a música sertaneja nordestina, em que temos o Pedro Bispo, o Monteirinho do Acordeon e, mais recentemente, o grupo Cabrobó, de musicalidade mais moderna. Há muita gente aqui e daqui fazendo sucesso também com a música sertaneja da moda, essa do Centro-Oeste e Sudeste, tais como Juliano Reis & Jordão e César & Mateus. E incluamos também a música clássica e erudita, em que se deve destacar os corais do maestro Pietrini, a banda municipal, e agora, a dupla formada pelo violinista Junior Schubert e o violonista Marck Jhonnes, o primeiro, com estudo clássico de piano, que passou a dedicar-se ao violino, e o segundo, formado em música clássica.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *
*
*

http://ajleeonline.com/