Skip to content

Terra, violência e sangue na estrada do arroz: o diário de Irmã Gertrudes

Terra, violência e sangue na estrada do arroz: o diário de Irmã Gertrudes é o título provisório de um dos cinco livros que publicarei neste ano para celebrar meus cinquenta anos.
Tem como base os escritos deixados pela missionária católica Irmã Gertrudes, que viveu na zona rural de Imperatriz, na área denominada ‘Estrada do Arroz”, na metade da década de 1970, quando acompanhou o violento processo de expropriação e expulsão dos migrantes nordestinos pioneiros naquelas terras.
É um registro contundente da história regional.
A seguir, dois trechos do “diário”:

15.08.1975
São mais ou menos quatrocentas famílias.
Estas famílias estão sofrendo uma tremenda tortura psicológica por parte do sr. Raimundo Fogoió. Aí no Pequizeiro estão dois pistoleiros do Raimundo Fogoió. Esses homens passam a amedrontar, a intimidar e a prometer fazer horrores com os habitantes. A própria mãe de um deles já se mudou com um filho para Imperatriz, com medo do próprio filho dela e do irmão.
Outras famílias também já abandonaram suas casas e lavouras, preferindo passar miséria em Imperatriz, mas longe desta situação.
Todas as casas provam bem o trabalho deste povo. São casas de barro com bonitos quintais, bem plantados. Árvores bem antigas, dando testemunho do que estou dizendo.
Todos são unânimes em dizer que não querem vender suas terras; querem morar ali, no que é seu. Indenização alguma será capaz de comprar ou pagar o trabalho que já fizeram aí. É o amor dedicado ao lugar.
Esse senhor já conseguiu muita terra com esse método. E para que? Simplesmente porque quer queimar e imediatamente semear o capim o seu gado (que não tem), como se o gado valesse mais que o homem, filho de Deus.
[…]
O problema de terras aqui é muito atual. Os moradores moram normalmente nestas terras desde o ano de 1958. Eles vivem com medo de serem expulsos por ricos fazendeiros. Já foram inúmeras vezes a Imperatriz. Pediram ajuda aos prefeitos, aos delegados de terras, ao Exército, ao Incra… Todos garantem que eles têm direito à terra por usocapião, porque são os posseiros e os pioneiros.
As perseguições são grandes. Os fazendeiros invadem capoeiras, passam o arame no meio das roças já queimadas, semeiam o capim nas roças e soltam o gado para destruir as colheiras dos lavradores. Algumas vezes a polícia aparece e leva para a cadeia estes lavradores, acusados de invasores. São as grandes injustiças do tempo de hoje.
[…]

14.09.1975
Nova e triste notícia do Pequizeiro. os homens de Raimundo Fogoió queimaram as terras perto do povoado, atigindo também algumas casas. […]
Três famílias, não aguentando a pressão e sabendo inútil o seu esforço em procurar seus direitos, resolveram vender por Cr$ 2.000,00 suas terras, suas casas e seus ricos quintais e foram morar em Imperatriz.
Os outros estão sem saber o que fazer, pois sentem que estão ficando sem forças, sem coragem de lutar. Sabem que o mais forte e o que tem mais dinheiro é quem vai vencer.

2 Comments

  1. irmão Domingos wrote:

    Parabens pela iniciativa,precisamos de resgatar a história sofredora do povo da Estrada do arroz. Por informação o Valdinar da Vila Conceição erá um grande amigo da Irmã Gertrude. Consultou ele?
    Também Dona Lurdes de Olho d’Agua conheceu muito bem Fogoió, é bom falar com ela. De meu lado eu poderiá talvez encontrar fotos das últimas casas queimadas em O d’Agua,por causa deste triste personagem nos anos 1993 (se eu não me engane?
    Ir Domingos IMC Coquelândia (mesma comunidade que o Ir raimundo)

    domingo, janeiro 15, 2012 at 18:59 | Permalink
  2. Parabéns Adalberto! Apesar de ficar conhecendo sua iniciativa em atraso, fico muito feliz. Hoje estou encerrando minha visita à Paróquia de Coquelândia na Pastoral de Férias do Seminário Diocesano. Foram dias muito especiais, nos quais pude ouvir nas vozes dos antigos, nos seus olhos e nas lágrimas que deles escorriam todo o amor que tem por essa terra, a desolação pelo abandono e a esperança de que um dia tudo melhore. Que o Senhor nos ajude a lutar por esse povo!

    quinta-feira, julho 26, 2012 at 09:09 | Permalink

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *
*
*

http://ajleeonline.com/