Skip to content

Alípio de Freitas, um padre guerrilheiro no Maranhão


Na década de 50, o padre português Alípio de Freitas chega a São Luís (MA) para trabalhar na Ação Católica. Intelectual, leciona na faculdade e dá assistência a operários, desempregados e trabalhadores rurais. Choca-se com a miséria e a fome do povo maranhense. Decide viver como os pobres, a comer como eles e até a passar pela experiência da fome. Envolve-se com a organização dos camponeses e as lutas por reforma agrária, “na lei ou na marra”.
Abandona o sacerdócio e resolve entrar radicalmente na luta contra as desigualdades sociais. Em Pernambuco, apoia a candidatura de Miguel Arraes e participa da organização dos trabalhadores rurais através das Ligas Camponesas, com Francisco Julião. Mora também em favelas do Rio de Janeiro. Participa das lutas armadas contra o regime militar; é preso e torturado. “Foi um choque cultural imenso. […] Eu já conhecia a pobreza, em Portugal, mas a miséria eu conheci no Maranhão”.
Em 2005, o cineasta Caco Souza fez o premiado curta-metragem “Resistir”, com o depoimento de Alípio de Freitas e dois outros presos que conviveram com ele nas prisóes brasileiras. Está disponível no Youtube. Vale a pena
assistir. É uma excelente aula de nossa história recente.
Parte 1:
https://www.youtube.com/watch?v=IXNLoTKo4Hw

Parte 2:
https://www.youtube.com/watch?v=1dqq0A-1cyY

O músico português José Afonso fez uma belíssima música em homenagem a Alípio de Freitas, reconhecido como um herói na região da Galícia.
Assista também ao vídeo da música:
https://www.youtube.com/watch?v=IXNLoTKo4Hw

3 Comments

  1. José Soares wrote:

    Onde mora atualmente o Padre Alípio? Alguém sabe? Obrigado

    segunda-feira, novembro 16, 2015 at 12:45 | Permalink
  2. Precisamos mudar uma tradição de Natal

    No Natal a luz que mais necessitamos é a divina e para recebê-la não precisamos de energia elétrica, provavelmente só de orações e boas ações. Mas nem todo mundo tem essa compreensão, como podemos ver no desperdício de energia que segue com as decorações de natal. Proteste contra o desperdício de energia nesse natal, vamos mudar essa tradição por uma mais humana e menos comercial.

    O consumo de energia em dezembro costuma aumentar entre 10 a 15% e o povo cidadão brasileiro precisa reduzir o consumo de sua residência em pelo menos 10% ou estará sujeito à multa. Mas porque é mesmo que precisamos economizar energia e porque mantermos essa tradição de carregar de luzes as decorações de natal?

    Precisamos economizar energia porque a extraímos da natureza e com isso comprometemos o meio ambiente. Se for gerada por termoelétrica implica em queima de óleo, carvão, milho, que extraímos da terra, que é desmatada para o plantio da matéria prima e que poderia está sendo usada para a produção dos nossos alimentos. A energia gerada por hidrelétrica depende da água, que está cada vez mais escassa no planeta. Então pela VIDA é importante economizar água e energia.

    As decorações de natal normalmente são carregadas de luz para mantermos uma tradição que surgiu com Thomas Edson quando inventou a lâmpada incandescente durante o Natal de 1880. Foi à maneira que ele encontrou para divulgar o seu invento, ou seja, uma jogada de marketing que virou tradição nas festas de final de ano. Acredito que hoje essa tradição se mantem por motivos semelhantes, para chamar a atenção, atrair consumidores e aumentar as venda.

    Podemos observar que a economia de energia pouco interessa ao comercio, é tudo em função das vendas. Em outubro uma reportagem do jornal Fato Online, “Decorações de Natal sobrevivem à crise e mantêm o brilho”, informou que a montagem das decorações de natal já estava garantida, independentemente da crise. Parece que está difícil entender que mais importante que as vendas é a vida que está sendo ameaçada com o desperdício de água e energia.

    Será que não está na hora de mudarmos essa tradição de Natal? A mudança é necessária a nossa sobrevivência, mudamos a forma de vestir, de se divertir, se relacionar, se comunicar, se alimentar. Porque não podemos mudar as decorações de Natal tirando o desperdício, o excesso de luzes? Por uma tradição mais adequada as nossas necessidades, ou seja, a economia de energia.

    Colabore, conscientize a sua comunidade dessa necessidade, proteste contra esse desperdício e tenha um natal mais consciente e feliz!

    Que Deus nos ilumine.

    Atenciosamente

    Rosita
    rosita_fonteles@hotmail.com

    sexta-feira, novembro 27, 2015 at 07:15 | Permalink
  3. Mora em Portugal

    domingo, fevereiro 21, 2016 at 18:04 | Permalink

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *
*
*

http://ajleeonline.com/